Auditório Ibirapuera apresenta

Música no Foyer

com Coro da Vila
em Somos o que Somos

O Coro da Vila, formado por 60 coralistas, se apresenta no foyer do Auditório Ibirapuera, sob a regência de César Cerasomma, para apresentar o espetáculo Somos o que Somos. O programa, composto de obras de nomes como Raul Seixas, Arnaldo Antunes, Elza Soares, Zé Ramalho e Cazuza, celebra a diversidade humana.

Acessar texto completo

30  Agosto |  21H

Música no Foyer

com Coro da Vila
em Somos o que Somos

O Coro da Vila, formado por 60 coralistas, se apresenta no foyer do Auditório Ibirapuera, sob a regência de César Cerasomma, para apresentar o espetáculo Somos o que Somos. O programa, composto de obras de nomes como Raul Seixas, Arnaldo Antunes, Elza Soares, Zé Ramalho e Cazuza, celebra a diversidade humana.

Acessar texto completo

Sexta-Feira | 21H

30 Ago 2019

Local: Foyer do Auditório

Abertura da casa: 90 minutos antes do espetáculo

Duração aproximada: 60 minutos

Sexta-Feira | 21H

30 Ago2019

  • L
  • Libras

Local: Foyer do Auditório

Abertura da casa: 90 minutos antes do espetáculo

Duração aproximada: 60 minutos

Música no Foyer

O Coro da Vila, formado por 60 coralistas, se apresenta no foyer do Auditório Ibirapuera, sob a regência de César Cerasomma, com o espetáculo Somos o que Somos. O grupo vocal será acompanhado por Gustavo Sarzi (piano) e Bruno Balan (percussão).

O repertório da apresentação, que celebra a diversidade humana, é composto de obras de nomes como Chico Buarque, Arnaldo Antunes, Elza Soares e Cazuza, com arranjos feitos especialmente para o coro por Bill Heigen, Gabriel Levy, Guilherme Héus, Piero Damiani e Roberto Anzai, além do próprio maestro.

“Esta apresentação é a prévia de um programa maior que estamos ensaiando e que deve ser apresentado até o começo do ano que vem”, conta Eloisa Pires, coordenadora do coro. “No ano passado, apresentamos no Auditório um panorama sobre o Clube da Esquina com o espetáculo Esquinas Geraes. Neste ano, a ideia é mostrar um pouco do contexto social e político atual e tratar de temas como preconceito, perda de direitos, igualdade, homofobia. O repertório fica muito em cima disso. E a escolha do nome do espetáculo é uma forma que temos de nos colocar como cidadãos, por meio da música.”

Antigo Coral Fundap, o Coro da Vila surgiu em 1993 como iniciativa dos funcionários da Fundação do Desenvolvimento Administrativo e hoje é um grupo independente. O coral vem se apresentando em São Paulo e em outros estados do país com um amplo repertório, que inclui música erudita, folclórica e popular do Brasil e de outras culturas. Desde 1998 está sob a regência de César Cerasomma.

“O canto coral é uma modalidade artística menos divulgada. Muitas vezes, sua atuação fica restrita aos coros líricos, que em geral são profissionais. São poucos os grupos amadores que conseguem sobreviver”, fala Eloisa. “Somos um coro cênico com um repertório mais atual e inovador e esse é o diferencial do nosso trabalho. Durante os 26 anos de nossa história – de Coral Fundap para Coro da Vila –, tivemos o prazer de contar com inúmeros participantes, de diferentes origens e diversas ‘bagagens’. Mas todos sempre compartilhamos o amor pela música, o respeito pela arte e o que ela pode nos proporcionar como seres humanos. É essa mistura que o Coro da Vila celebra agora. É por isso que somos o que somos”.